Ad Code

Tio diz que jovem vítima de estupro coletivo na Bahia é alvo de jogo de abuso e manipulação psicológica



O Aratu On entrevistou, com exclusividade, o tio da jovem.  Conhecido na região como João "Gordo", ele confirmou que uma mesma pessoa seria a mentora da série de agressões

O caso da jovem baiana, de 23 anos, estuprada e agredida por nove pessoas, em momentos diferentes, no município baiano de Planaltino, a 390 km de Salvador, parece envolver um jogo de manipulações e abusos psicológicos para coagir a vítima a participar de rodas de abusos contra ela. O Aratu On entrevistou, com exclusividade, o tio da mulher.  Conhecido na região como João “Gordo”, ele confirmou que uma mesma pessoa seria a mentora da série de agressões.

Segundo ele, ao menos três casos, entre abusos sexuais e violências físicas diversas, já aconteceram contra ela entre 2022 e 2023. O primeiro deles, teria ocorrido no ano passado, quando um vídeo, onde ela era forçada a realizar sexo oral em três homens viralizou na comunidade de Campinhos, local onde a vítima nasceu.

Segundo João, a jovem foi ameaçada para participar do ato, filmada sem autorização e exposta por meio de aplicativos de mensagens também sem o seu consentimento.

“No vídeo, eu suspeito que tenha sido a primeira vez que o abusador tenha usado ela”, detalha. Devido à falta de assistência psicológica adequada na região, a jovem nunca foi diagnosticada oficialmente com transtornos mentais, porém, segundo a família, ela teria um certo atraso cognitivo e seria muito “inocente” e principalmente “manipulável”.

 


ESTUPRO E AGRESSÃO:

Segundo os familiares, um jovem, que será identificado na matéria pelo nome fictício de *Vicente, seria o responsável por organizar as rodas de crimes sexuais. Ele, que, de acordo com João, tem entre 18 e 22 anos, também nasceu em Campinhos e cresceu junto à vítima.

Ao longo de sua convivência juntos, ela teria desenvolvido sentimentos de dependência pelo rapaz. Para a família, Vicente percebeu o apego e começou a ameaçar “sair da vida da jovem”, caso ela não aceitasse participar dos atos sexuais em grupo, com homens que, supostamente, seriam amigos do suspeito.

VEJA TAMBÉM: Festival de chocolate internacional em Ilhéus, deve reunir mais de 70 mil pessoas

Segundo a Polícia Civil (PC), a jovem denunciou que foi estuprada por um grupo de cinco pessoas em junho deste ano. Com relação a esta agressão, João contou que ela aconteceu nos fundos da casa onde ela mora com a família, em um terreno abandonado.

VEJA TAMBÉM: Itabuna sai do mapa das cidades mais violentas

“Eu conversei com testemunhas, várias pessoas do município dizem ter visto esses homens levando ela para o terreno”, afirma. Segundo ele, no dia seguinte ao crime, toda cidade comentava sobre os fatos, porém, ninguém teve a iniciativa de apresentar uma denúncia.

Para ele, o medo impera entre as pessoas da região, porque, entre os envolvidos, estaria o filho de um vereador da cidade, fato que, até o momento, não é oficialmente confirmado pelas autoridades, que não revelam os nomes dos suspeitos.

 

CASO MAIS RECENTE:

Em nota, a Polícia Civil da Bahia confirmou que a jovem de 23 anos teria sido vítima de uma roda de agressões no último domingo (16/7), na qual cinco homens teriam participado da ação. Esta informação foi confirmada durante as investigações. Apenas um dos suspeitos é reincidente nos crimes e aparece no estupro ocorrido há um mês e nas agressões do último domingo. De acordo com o tio da jovem, esta pessoa é “Vicente”.

Ainda conforme nota, os nove envolvidos nos crimes já foram identificados, serão intimados e prestarão depoimento. Eles são aguardados para a realização dos exames de perícia, que devem confirmar, inclusive, se teria ocorrido um novo estupro contra a jovem durante os espancamentos.

VEJA OUTRAS MATÉRIAS SOBRE ESTUPRO


A DENÚNCIA:

João conta que é recém-chegado no município, e, após ver sua sobrinha agredida, decidiu que não deixaria um episódio de violência contra ela passar impune. “Levei o caso para a delegada, detalhei tudo e convenci pessoas que tinham visto os suspeitos com minha sobrinha no mato a testemunharem”, detalha.

Atualmente aposentado, João retornou a Planaltino após trabalhar por alguns anos em São Paulo, onde, segundo ele, ganhou conhecimento sobre esses casos e sobre a importância de fazer a denúncia. Segundo ele, todos os suspeitos são moradores do distrito de Campinhos, amplamente conhecidos pela população.

VEJA TAMBÉM: Vídeos mostram sofrimento de motorista de app, com dois bandidos dentro do carro

Além de divulgar as agressões, João conta que o suspeito, identificado pelo nome fictício de “Vicente”, também extorquia financeiramente a sua sobrinha. “Ela trabalha na casa de uma família, até o dinheiro que ela ganha fica para ele”. O tio não detalhou os métodos utilizados pelo suposto abusador para a extorsão.

 


PROTESTOS NA CIDADE:

Nas ruas da Planaltino, na manhã de quinta-feira (20/7), foram realizados protestos, organizados pela secretária de Assistência Social e Cidadania do município, Noilda Silva Nunes. Placas e cartazes contra a violência às mulheres foram exibidos.

Conforme dados divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública no dia de ontem, 4.558 pessoas foram vítimas de estupros na Bahia em 2022. Isso dá uma média de 12,48 casos por dia.

VEJA TAMBÉM: Avô estupra menina de 10 anos em Juazeiro da Bahia

Se comparado a 2021, que teve 3.889 registros, o crescimento foi de 32,2%. A Bahia é o quinto estado com mais ocorrências, atrás de São Paulo (12.615), Pará (6.648), Rio de Janeiro (5.627) e Rio Grande do Sul (5.193).

FONTE: ARATUON

Imagem da capa: Freepik (meramente ilustrativa)

Postar um comentário

2 Comentários